domingo, 4 de julho de 2010

Mudança

Transformação.
Modificação.

Em uma Mudança Física,
Mantem-se a química.
Apenas é gasto energia.
Sem alteração da essência,
Mudando de líquido a sólido,
E cada vez mais sólido.

Como borboleta saindo do casulo,
Ganhando um novo lar, o mundo.
Primeiro lagarta,
Seguindo crisálida,
E em fim asas!

Agora com asas coloridas,
Um novo jardim a explorar,
Que bom ter um novo lar!
Lar, doce lar!

Carola Guimarães

8 comentários:

i ILÓGICO disse...

onde estamos?

Rafa disse...

Belo poema...

não sou um bom entendedor de poesias, mas essa metofara da borbolatea exemplifica os processos de de readaptação que somos constantemente submetidos. (pelo menos foi o q eu absorvi)..

Gostei...

---

passa lá depois...

http://culturapoperudita.blogspot.com/

neetho b. disse...

parabéns, arrasou no poema..

te espero no meu blog:
http://retrojovem.blogspot.com

Maxmilla Barroso disse...

Sempre poético.

Wander Shirukaya disse...

Bom poema, a busca da natureza da um tom bastante sutil. ^^

Bea Martins disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Bea Martins disse...

Adoro poesia gótica,mas curto bastante de outros tipos tb.
;D
ta boa.

melilly disse...

Gostei!
Bons vôos pra você!