sábado, 5 de dezembro de 2009

Uma carta a D. Saudade

Olá! Como está a senhora?
Vim pedir-lhe que vá embora.
E se vá sem a menor demora!
Só causa atraso nas horas
E fecha também as portas.
Descreve em linhas tortas.
Tortura. Não atura. Perfura.
Bem aqui no peito perdura.
E já não encontro a cura.
Esse mal ataca toda estrutura.
Desestrutura qualquer criatura.
Desenha uma nova pintura.
Essa pintura de tom triste.
Pelo que aqui dentro existe,
Esse "risque e rabisque"...
Já mandei embora, mas insiste!
E aqui a Senhora ainda reside!
Por gentileza, retire-se!

Carola Guimarães

* Pense numa senhora insistente, visse?

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Gratidão

Obrigada!
Porque tu És perfeito,
Pra tudo Dás um jeito.
E mesmo quando me perco
Quando de Ti me esqueço...
Tu não me esqueces,
Tua mão me protege.
Obrigada, obrigada!

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Enche-me

Aqui dentro uma agonia.
Busco em Ti uma alegria.
Ajuda-me a me recompor,
A restaurar a energia.

Pois só me consolo em Ti,
E tiro forças pra seguir.
Acalmo o coração.
Canto uma canção:
"Aonde eu irei Senhor?
Se só Tu tens as palavras
De vida eterna...
Onde me esconderei?
Tu és o ar que eu respiro
Tua presença me atrai..."¹

Pai, segura a minha mão,
Acalma esse meu coração,
Que ele precisa de Ti.
Esvazia-me de mim,
Enche-me de Ti.

Carola Guimarães

¹ Nívea Soares

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Amadurecência...

A nossa menina cresceu
Agora já na maioridade
A passo que amadureceu
Agora, só responsabilidade.

Ela agora já trabalha!
Se tornando empresária!
Caminha com velocidade
Reflete a sua felicidade.

Nos pés um salto alto,
Calça tecido oxford,
Não tem horário vago,
Só anda linda, uma top.

E nessa linda mulher
Que ela se transforma
Os traços de menina ficam
E só no sorriso transborda.

Era menina, ainda menina.
Uma mulher que é linda!
Que é Carol, não Carolina.

Carola Guimarães

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Teu abraço

Teu abraço me revela um amor tão grande
E me sinto tão pequeno, És tão gigante.

Te amo, Senhor!
Teu amor que me salvou
E me ensina a caminhar no teu caminho.
Não me sinto sozinho.
Tua mão me conduz, És minha luz!

Carola Guimarães

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Você Me Faz Tão Bem

Detonautas
Composição: Tico Santa Cruz

Quando eu me perco é quando eu te encontro
Quando eu me solto seus olhos me vêem
Quando eu me iludo é quando eu te esqueço
Quando eu te tenho eu me sinto tão bem

Você me fez sentir de novo o que eu
Já não me importava mais
Você me faz tão bem
Você me faz, você me faz tão bem

Quando eu te invado de silêncio
Você conforta a minha dor com atenção
E quando eu durmo no seu colo
Você me faz sentir de novo
O que eu já não sentia mais
Você me faz tão bem

Você me faz, você me faz tão bem
Você me faz, você me faz tão bem
Você me faz, você me faz tão bem

Não tenha medo
Não tenha medo desse amor
Não faz sentido
Não faz sentido não mudar
Esse amor

Você me faz tão bem
Você me faz, você me faz tão bem
Você me faz, você me faz tão bem
Você me faz, você me faz tão bem
Você me faz, você me faz tão bem

* Você me faz tão bem!

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Refletindo

Porque o seu olhar triste me entristece.
E não escondo, o que sinto transparece.
Se você fica com raiva, hidrofobia minha.
Mas se você só traz o sorrir, que alegria!

Por um momento triste,
Esse que não resiste,
Aqui não mais reside.

E o que eu sinto
Reflete nisso.
Isso que vivo,
Amor infinito!

Carola Guimarães

* Um dia desses:
- Fica assim não, Amor...
- Mas foi você que começou!

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

João Menino

Coisa que esse menino tem de pensar bobagem,
De trocar o seu presente pela sua embalagem,
De estar aqui e ao mesmo tempo em viagem.

Esse olhar perdido em travessa
Em um mundo sem cena faz peça
Pra onde vai? Quem tem pressa?
Não... Por nada se estressa!

Girando no ar pela poeira,
Cá poeira, lá sem besteira...
Coisa de João ainda menino
Tentando chegar no destino.

Olha em volta,
Linhas tortas.
A direção?
Coração.
Coisas de Menino João.

Carola Guimarães

* Feliz Aniversário, Johnny Quest! (:

domingo, 27 de setembro de 2009

Grite!

Quando não se sabe o que dizer
O silencio pode bem preencher,
A presença por perto é acolher.

A insegurança através do olhar,
Qual é a decisão certa a tomar?
Fingir por fingir, falar por falar...

Quando tudo misturado,
Mix-tudo, tudo embolado...
Só sei ficar ao seu lado
E em mim tudo calado.
Aceita o abraço apertado?

Solução?
Talvez água e sal...
Um toque de açucar.
Oração!
As horas já são...

Se estiver triste
Estou aqui, divide!
Pra isso que existe...
Ei, não hesite!
Pra qualquer fim:
Grite!

Carola Guimarães

* Mesmo que minha vizinha não goste muito, juro que atendo via janela também! ;)
Mesmo que eu não saiba o que dizer, posso oferecer uma companhia, um ombro, de repente... Um chocolate também! Quer Bono? Ou prefere bolachas?! ;P ^^ (L)

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Vem!

O meu melhor sorriso vem quando meus olhos encontram os teus.
Porque lá dentro de mim, na parte mais guardada de mim, eu te encontro.
Encontro na melhor parte do amor: amar-te. Além da lua, além do infinito.
Dentro dos meus fragmentos passados, vivo o conto mais bonito, mais colorido.
E é contigo que eu divido, estás nos meus sonhos contido e nos meus sonhos vivo.
Meu sonho costante. Sonho acordada. Não sei de mais nada... Mais vale ser amada.
Se por ti eu for amada tanto faz a jornada... Vens comigo nessa caminhada?
Dá-me tua mão e não terei medo da escuridão, nem de pesadelos, nem de sombras...
Porque nessa luz não tem sombra, somos o que há de melhor... O meu melhor...
Porque o meu melhor sorriso atravessa tudo isso. Estando contigo... Paraíso!
Acalma o que há de aflito, sossega, e não vejo nenhum perigo. Sou cega e me alegra...
Quando tu chegares, abraça-me forte, pois estou com tanta saudade...
Não é de escrever bem, nem escrevo tão bem. Mas é que contigo as palavras me vem.
Por isso que te digo: vem!

Carola Guimarães

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Tuas cores

O sorriso só reflete isso que eu sinto.
Meu coração transborda e não minto.
Esse olhar travesso que me atravessa,
Eu atravesso sem ter a menor pressa.
Agora é a única coisa que me interessa...

Carola Guimaes

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Rede

Debaixo da árvore
Uma sombra e tanto,
Brisa leve soprando,
Lugar de descanso.

Uma rede...
Rede que lança ao mar,
Essa rede de conectar,
Onde posso descansar...

Contigo não tenho medo,
De Ti não guardo segredo.
És o meu melhor lugar,
E sei, segura posso ficar.

E muito grata eu sou
Por tão grande amor.
Pelo que ganho sem merecer,
Por me fazer assim, meu viver!

Carola Guimarães

* Obrigada, Pai!

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Gosto tanto...


Porque antes de dormir
Agradeço a Deus por Thi.
Porque quando estás longe
Eu só o quero bem aqui...

Segredos que posso contar
Por não ter medo de amar.
E encontrar no teu abraço
Um bom lugar para sonhar.

Ainda que falando em elfo
Eu falo só do que é certo...
E é isto que é tão concreto.

Por esse olhar travesso
O mundo eu atravesso,
Na ida que me perco
E não mais regresso.
É tão bom te ter perto!

Porque eu me sinto voar...
E agora só tenho medo
De contigo não estar...

Gosto tanto de Thi...

Carola Guimarães

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Esses dias...

Mágicos? Dias bons...
Dias fora do comum!
Em que, todos juntos
Fazemos os momentos.

Baile a bailar,
Rir até chorar,
Ficar em par,
Praia, passear.

Não assisti nenhum desfile,
Mas foi um ótimo dia sete.
Um ótimo final de semana,
Melhor começo de semana.

Carola Guimarães

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Frescuras...

Eu poderia escrever facilmente
Uma lista enorme de frescuras,
Dessas que em mim presente
Somam, formam uma mistura.

Minha frescura com o cabelo assanhado,
Esse meu cabelo que vive despenteado...
Mas eu gosto dele assim, todo cacheado...

Frescura na cozinha...
Comidas que não como,
Comidas sozinhas...

Podia dizer tantas coisas...
Mas pra que fazer
Uma imagem ruim?
Não farei assim...
Pense bem de mim!
Frescuras? Tenho sim...
Mas e daí?

Carola Guimarães

* Pense bem de mim, geralmente, tenho poucas frescuras! ;)

Alpha


Qual o sentido da vida, então?
Direita, esquerda, contra-mão?
Será que sua vida tem sentido?
Ou já está mesmo tudo perdido?

Você tem sentido vida?
Qual o ponto de partida?
Cadê a entrada e a saída?

Será que existe o fim?
Por que você está aqui?
Algum motivo pra sorrir?

Será que existiu mesmo Jesus?
Ele foi um lunático ou uma luz?
Será que morreu e ressuscitou?
Pra quem é esse tanto amor?

Ler a bíblia pra quê?
E isso serve de quê?
O que vai entender?

Você sabe o sentido da vida?

Carola Guimarães

* Curso Alpha, início em 03 de Setembro, Igreja A Rede.

Que jeito?

Sem sono... E é tão tarde.
Preocupação rouba o sono.
E é algo que não me cabe.
Mas Deus que tudo sabe
Faz tudo sempre perfeito!
Tentar não me preocupar
Pra tudo dá-se um jeito...

Carola Guimarães

domingo, 30 de agosto de 2009

Imprevisto

Visto isso que acontece
Sem nada que precede.
Que se dá de repente...
Sempre surpreendente.

Do lugar que não sabia chegar,
Mas até que consegui acertar.
Evelope lacrado que não acho,
Um mini currículo que desfaço.

Desespiralizar... Retocar, consertar.
Uma chuva a nos molhar...

Um boliviano brasileiro,
Besteiras por inteiro...

A passarela lá no alto,
Só correr pelo asfalto.

Pela chuva em um ponto,
Passou direto e pronto.
Mais um tempo a esperar
Até outro igual chegar...

Porque cada momento foi especial,
Cada imprevisto é um visto prévio
Disto que eu sinto, e não tem igual.

Carola Guimarães

sábado, 15 de agosto de 2009

"..."


Amar, esse verbo transitivo.
Amor, substantivo abstrato.
E é nesse que eu me acho...
É onde eu me perco
Pela força do abraço
Que me toma feito laço.

Verbo que não precisa palavras
E por isso o meu coração se cala.
Mas isso que eu sinto se exala,
Assim eu dispenso a minha fala.

Que através das entrelinhas
Tu possas perceber
Isso que eu não preciso dizer:
"..."

Carola Guimarães

* Porque 30 dias passaram voando...

sábado, 8 de agosto de 2009

Troque as cordas

Preocupo-me realmente contigo.
Tanto faz se são muitos amigos.
Sabe aquela amizade-sintonia?
Vem muito de você, Camilinha.

É, a vida é uma caixinha de surpresas!
E eu quero poder estar sempre perto
Seja para o que é bom, ruim, incerto...
Isto que aqui há é mais que concreto,
Amigo de verdade entende cada gesto.

Entre as surpresas do dia-a-dia
O que compensa é um abraço...
Troque as cordas da Sibalda!
Coloque nela as cordas de aço,
Assim, os dedos ficam calejados.

Carola Guimarães

* Sabe esse lance de "Besta"? Vamos alugar uma pra ir para o infinto e além?! ;P
(L)

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Lápis de cor

Hoje eu me sinto assim,
Um pouco confusa de mim.
Certeza do quanto faz bem,
Por isso que eu digo: "vem".
Acho melhor fechar os olhos,
Que o vento sopre a direção!
Para tudo que seja confuso
Que seja desfeita a confusão.
Você segura a minha mão?

Carola Guimarães

sábado, 1 de agosto de 2009

Acróstico

Teu sorriso é um bom motivo,
Hoje, posso sorrir só por isso.
Ideal, que só na idéia vive.
Acho que sim, tu existes?
Gosto tanto de tudo isso...
O meu acróstico favorito.

Carola Guimarães

* Você me faz tão bem... ♥

sexta-feira, 31 de julho de 2009

Quase fim

Férias já quase no fim...
Já estou sentindo saudades
De toda essa tranquilidade.

Manoel casou com Daniely,
E foi tudo muito lindo!
O mesmo amor dividindo...

Viajei mundo a fora... Fui a Recife!
Trouxe uma lembrança inesquecível...
Eu o abraço e o tempo é imperceptível!

O dia a raiar... Eu vi!
Quase morri de tanto rir.
Assisti filmes até dormir.

Pesquei sem anzol
Os mais belos sonhos...
Tudo isso quando percebi
Que tudo que eu precisava
Já estava bem aqui...
Sempre perto de mim.

Chorei de emoção,
Tive disparos no coração.
Pedi e perdi a atenção.

Ainda não li um livro.
Conheci novos amigos.
Cantei, poetisei, sonhei...
Amei, e estou amando.
Acho que vivo sonhando...
Que pena, férias acabando!

Carola Guimarães

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Espetáculo



Metáforas sem palavras.
Poesia na ponta dos pés.
Tons e cores misturadas.

Na simetria dos passos,
Tudo em um compasso.
A suavidade nos saltos...

Nos passos leves da Bailarina,
Girando como peão em menina.

Escalas ao ar,
O sincronizar;
Em pares, ímpares.

Esse tom tão subjetivo
Que atinge o objetivo...
Entrelaça, gira, prende...
Só quem já foi entende.

Balé.
Ballet.

Carola Guimarães

* Primeira vez que assisti um espetáculo de balé. Muito lindo! Fiquei encantada com tanta poesia sem palavras.



sexta-feira, 24 de julho de 2009

Man-ely

Por que essa soma de dois
Tem um resultado singular,
Quando antes eram dois,
Agora, apenas um coração há.

Em força dupla, pulsa um só coração.
Que cada momento lhes sejam único,
Que a vida lhes seja repleta de emoção
E que Deus abençoe muito essa união!

É como em uma ligação covalente...
Onde os átomos se unem fortemente.
São então os átomos que tem essa tendência:
Compartilhar elétrons da camada de valência.

Um para estabilizar ao outro,
Ficando perto um do outro...
Pra formar uma coisa só,
Uma molécula em um nó.

E cada passo com cuidado, administração.
Um mostrando para o outro a certa direção.

Antes: Manoel e Daniely.
Que o amor lhes revele...
Que se perca em limites
Onde começa o “Man”,
Onde termina o “Ely”.

Carola Guimarães

* Felicidades ao casal! (:

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Best Friend

Ao som de : Chiquititas - Amigas


Porque no meio de tantos colegas, eu tenho uma amiga.
Que eu sei que é de verdade, pois ela não tem mentiras.
É que um dia quando eu estava procurando meu irmão...
E ela estava lá, eu a encontrei e desde então...
Encontrei uma "irmã", já que não achei o irmão.

Alguém com quem compartilho
Os meus melhores momentos!
E parece que tudo se mutiplica
E é nisso que eu me contento!
E quando compartilho os tristes
Parece até que a dor se divide!

Amo tanto você...
E é pessoas assim que nos faz perceber
Que Papai do céu só pode ser um cara bom!
Ele coloca pessoas tão especiais no caminho
Que nos ajudam a suportar a dor dos espinhos,
Sorrir com a beleza das flores tão coloridas...
Saber que temos importancia para a vida!

Muito obrigada pela sua amizade! (:
Feliz dia do amigo!

Carola Guimarães

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Meu novo conto...


Iniciando uma nova fase.
Reescrevendo os pontos,
Fazendo as novas frases
Deste meu novo conto.

Esse conto que me encontro,
Lonje das curvas de Santos
Perto de um abraço e tanto.

Essa força centrípeta ao avesso
Que não entendo o seu começo.
Esse balanço que me balançou,
Tão rápido a tudo transformou.

Carola Guimarães

* Gosto tanto de Thi.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

|P|ois |L|á.

Saudades de conversar contigo
Mesmo que fosse só pelo msn.
De ter "perto", como um amigo.

Dos reggaes que lembram você,
Hoje eu já não os escuto mais...
Mas nunca pensei que ia perder.

Lembro que encontramo-nos.
A oportunidade que ganhara
E ao mesmo tempo eu perdia...
Mas acho que não era meu dia.

Mas tanto faz,
Deus sabe o que faz.
Quem sabe nesse leva e traz,
Do tempo que se desfaz e se vai...

Quem sabe?
Desejo-te felicidade.
Mas é bem verdade
Que sinto saudades.

Carola Guimarães

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Reflexo


O meu lado reflexivo
Vive buscando motivo
Para o que meu lado emotivo
Faz sem o menor sentido.
Na dúvida, esboço um sorriso.
Sorrindo, assim que sigo...

Carola Guimarães

terça-feira, 7 de julho de 2009

Viva as férias!

Ao som de: Natiruts - Liberdade Pra Dentro Da Cabeça





Hoje um dia bom, e quão!
Um dia fora do padrão.
De manhã o sol apareceu,
Lindo, azul de mar e céu.
Dos reflexos refletidos,
O motivo de um sorriso.
Uma fila que não andou
Mas que de rir... Chorou.
Dia tão bom...


Carola Guimarães


* "Será que todo dia vai ser sempre assim?!"

sábado, 4 de julho de 2009

Que saco!


O deio os compromissos
Que você desfaz comigo.
De quando você me liga
Pra ficar criando briga.

Da voz nervosa que me pergunta:
"Onde a senhorita se encontra?"

Do mau humor pela manhã.
Quando a tarde ele persiste.
Cotinua a noite, não desiste.

Porque critica tudo que faço.
Tudo faz gerar um embaraço.
E a rejeição ao meu abraço...

Estou sempre disposta a tudo.
Você me nega a quase tudo.
Que saco!

Carola Guimarães
*
Vai entender irmã mais velha...

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Sol...


O sol está me chamando para passear.
Acho que vou, aqui eu não quero ficar.
Já sei que vou cansar, se for esperar...
Você nem passa, se quer, por imaginar.

Vou sair com o Sol.
Antes Sol... Que sozinha!

Carola Guimarães

* Convida-me para passear... ?! ;P

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Viajando

Brigo com essas coisas
Por causa desse vício.
Eu que não sei o que faço,
Gosto tanto desse laço...
De te ver aqui por perto...
Desse
sorrir tão esperto...
Volto a brincar de papel marchê,
Porque sinto que viajo ao longe
Se meu pensamento vai a você...

Carola Guimarães

* Tentando dizer nas entrelinhas sobre as linhas que eu quero entrelaçar.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

A conjuntivite passou!

Olhos Vermelhos - Capital Inicial


Hoje acordei com um ar diferente,
De querer alguma coisa diferente.
Deu vontade de gritar aos 4 cantos
Sobre aquilo que tem meu encanto.

Estava frio e escuro.
Eu ainda cansada...
Sair da cama? Nada!

Levantei os olhos,
A conjuntivite passou!
Passou para Ana,
É dela a outra cama.

Costurar campos...
E eram tantos!

Carola Guimarães

* Ana, minha irmã mais velha, agora sofre com a vermelhidão e secreção. Meus olhos?! Estão ótimos, obrigada! (:

terça-feira, 30 de junho de 2009

Pontos


Um ponto de vista,
Invista em um ponto.
No ponto de ônibus,
Sempre um atraso.
Perco-me em um ponto
E quem disse que acho?
Eis aí o meu ponto fraco.

Em ponto cruz,
Bordo um sorriso.
No cartesiano...
Pontos infinitos!
Pontos de sutura que retiro,
Exodontia de um dente ciso.

Um ponto de referência no horizonte
Só pra saber o quanto estou distante.

Em meu ponto turístico...
Por que não me arrisco?
E aponto para adiante
A ponto que sobrevivo.

Para ser aprovada,
Somar pontos do nada.

Entre tantos pontos,
Ponto de interrogação.
Faço-me exclamação.
Ponto latitudinal.
Ponto final.

Carola Guimarães

* E hoje perdi 52 pontos, né Ilaninha?!

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Conjuntivite II!

Conjuntivite, again!
Merece isso alguém?
Obrigada, Dizão! (L)
Entre tantas...
Fui a escolhida.
Olho vermelho,
Com secreção.
Edemasiado.
Perturbando a visão.

Carola Guimarães

domingo, 28 de junho de 2009

Caixinha de Música

Ler ao som de: Fur Elise - Beethoven


Caixa de vidro, de cima a baixo.
Dentro uma bailarina que dança
Passos leves, suaves. Compasso.
Olhos vidrados no que não acho.

Ele entrou.
Nela reparou.
Tudo parou.

Aquela música que parava,
No tempo em que separava.
Parece que o passado voltava,
Mas tudo em volta paralisava.

A doce bailarina assistia
O tempo em movimento.
Seus doces movimentos
Que paralisavam o tempo.

Ele, hipnotizado, assistia cada passo
Enquanto revivia-se o seu passado.
Paralisado.

Carola Guimarães


sábado, 27 de junho de 2009

\o/


* Acredite, a fada do dente não deixa R$ 20,00. Nem por um dente hígido, nem por um mesiodente com tratamento endodontico.

Plano de Férias

Filmes para assistir,
Assistir até dormir.
Jogar conversa fora
Até ver o sol nascer.
Chocolates a comer.
Mundo a fora viajar,
Ver Manel se casar.

Às piscinas naturais passear,
E se o sol aparecer, bronzear!
Campos cirurgicos a costurar.
Os velhos amigos reencontrar.

Um pouco, mas estudar.
Trabalhos organizar.
Um novo amigo.
Ler um livro.

Ver o pôr-do-sol.
Pescar sem anzol.

Fazer, com lua, um luau,
Rir tanto que passe mal.

Musicar, poetizar, sonhar.

Carola Guimarães

* Férias, um mês de alegrias!

terça-feira, 23 de junho de 2009

Duas mãos

Que as pessoas nos deixam na mão?!
Isso é um fato, com ou sem razão.
Simplesmente deixam... E pronto,
Não ligam, estão nem aí... E ponto.

Estou cansada disso.
Acostumada com isso?
Não me acostumo...
Eu que não mudo.

Mas o que importa é o contorno.
Saber contornar a situação,
Saber tomar uma decisão.
Aliás... Tenho duas mãos!

Carola Guimarães

* Uma via de duas mãos, mão dupla. Ida e vinda. Carros vem, carros vão.

domingo, 21 de junho de 2009

Caso Clínico

A odontologia dever ser poesia...
É poesia!
Isso que vivo,
Pelo caso clínico.
Que belo devolver sorrisos...

Já que os olhos são as janelas...
A porta da alma deve ser o sorriso!

Carola Guimarães

sábado, 20 de junho de 2009

Eco-co

Grita a poesia que aqui dentro mora.
Esse grito aqui ecoa e logo transborda.
Acabe com o eco, preencha esse vão.
Tranforme isso numa reverberação.

Vou te ecolocalizar,
Só depois equalizar.
E nem quero radar.
Só preciso sonhar...

Solos ecoam a sós...
Nem 20 Hz de voz.
Mas ouço sem nós,
Quero nós-ós-ós...

Carola Guimarães

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Fragmentos Ao Acaso

Quando olho através dos meus olhos míopes, enxergo nessa minha visão um tanto falha. Nessa janela da minha alma, onde nem tudo fala, mas nada cala.
E me pergunto porque não te encontro em lugar nenhum. Porque quando menos quero, você aparece do nada. De repente surge aquela imagem no fim do corredor que acena prá mim em um sorriso sincero, acho que é sincero.
Por vezes que saindo, e tu estás chegando. Os de(z)(s)-encontros causados por esse acaso. Descaso. Não causo. Mas gosto desse abraço.
Na língua que eu falo, tu não interpretas. Vênus e Marte. Mas a Terra não faz parte. Mas é bom de se ter por perto quando se tem um olhar sincero.
Olhar. Molhar meus olhos com emoção, com pulsos do coração. Da pupila dilatada, coração em disparada. Nesse múltiplo, talvez, de três.
Vá entender aquilo que nem consigo ver...

Carola Guimarães

* Recuperei-me da conjutivite. (Y)

terça-feira, 16 de junho de 2009

Esqueci!

Vim pra cá,
Algo pra postar.
Mas dispersei,
No msn entrei.

Vim com intensão de 10 minutos.
Já se passaram quase 2 horas.
Acho que vou embora.

Não vou lembrar
O que ia postar.

Carola Guimarães

* Estou com medo. Acho que estou viciada.

sábado, 13 de junho de 2009

Hoje

Algumas coisas não fucionam como a gente quer.
Funcionam melhor, ou pior. Depende.
Coincidentemente em um dia par, 12, só avistei pares.
Os corações e promoções estavam em todos os lugares.
Tudo por uma data. Que data?! Nem lembro. Passou.
Foi ontem. Hoje já é hoje.
Provavelmente, milhares de pessoas conjugando um verbo.
Conjugando por conjugar. Um verbo que não se pode assim.
Esse verbo, não vou dizer, você sabe qual é.
Mas onde cabe o que não funcionou?!
Vale lembrar... O violão nunca foi tanto.
Uma canção. Fiz em piração, inspiração.
Solos. Acordes combinados. Cifras.
E nesse embalo, saiu uma música!

Carola Guimarães

* Música, meu vício número 2.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Amanhã

Hey tempo, sonhos!
Venha me ninar...
Diante de tudo isso
Quero som em ar,
Notas que acorde.
Algo que recorde,
E faça sem cortes.

Acorde em Sol
Que bate na janela
Dó-rme... Sentinela.

Amanhã vai ser outro dia...

Carola Guimarães

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Forrodonto

Acabou cedo - Prá mim.
Tirei foto com meu ídolo,
Minha inspiração a seguir.
Dancei quadrilha,
E que pareiaaaaa!
Comi bolo de chocolate.
No 42, hipersensibilidade.

Divertido.
Podia durar mais.
Durar mais uma música
Para eu dançar com você.

Carola Guimarães


* "Quero dançar com você..."

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Conjuntivite

Sabe essa membrana transparente
Que reveste a frente do globo ocular?
Pronto. Logo a conjuntiva fui inflamar.

Não foi tóxica nem alérgica.
Infecciosa. Contagiosa.

Edema palpebral.
Enxergando mal.

Carola Guimarães

* O pior de tudo isso é ter que usar óculos. Odeio meus óculos.

domingo, 7 de junho de 2009

A Daoud

Estava procurando uns dentes pra estudar anatomia dental. Ao invés disso, encontrei uns anéis e um papel antigo, e põe antigo nisso.
"Ana's Song", música da Ana, era a primeira frase do papel. Anorexia. Resolvi escutar novamente. Que sensação nostálgica. A letra traduzida no papel, você traduziu pra mim ainda na oitava série.
O tempo passa tão rápido. E hoje não tenho mais notícias suas. Um amigo estranho, que no primeiro dia de aula chegou atrasado porque havia entrado na sala errada. E só na 3a. aula percebeu que estava na turma do terceiro ano, e não na oitava série.
Não te tinha mais no orkut... Achei depois.
Saudades.

sábado, 6 de junho de 2009

Vi o mar!

Hey, o mar está lá.
Não sei. Saberá?!
Timmy x Jimmy,
Saudades matar.

Chocolate, 1/3 de barra.
Um cinema aqui em casa.
Relembrar o Kenai e Koda.
Dormi a hora quase toda.

No final, tudo deu certo.
E nem precisei ir pra final.
Férias, mas apenas parcial.

Dormi pouco.
Estudei muito.
Fiquei cansada.
Chorei por nada.

Vi o mar...

Carola Guimarães

* Reflexos da semana que se passou.

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Saudades...

Se saudade tivesse outro nome,
Seria parecido com o seu nome.
Se não estivesse assim tão longe,
Uma alegria maior teria seu nome.

Saudades de você.
Cantar. Aprender.
Estar perto. Acolher.
SaudadeAndré.

Carola Guimarães

Vendo

Vendo esse sorriso
Vendo a dor que sinto.
Vende-se um abraço,
Troco nesse compasso.

Vendo campos,
Imagino flores.
Vendo a alegria
Nesses amores.

Vendo aquilo que não estou vendo.
Mesmo vendo, sei que não entendo.
Como parada, ao mesmo correndo.

Vende-se!

Carola Guimarães

* Os campos cirúrgicos são apenas R$ 2,00; os endodônticos R$ 2,50.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Semente



Essa semente que aqui brota,
Essa plantinha que se forma.
Não sei se tem o endosperma,
Nutre-se dessa fase de espera.

Sem cotilédones, não alimento.
Vive daquilo que não invento.
Porque aqui em minha mente
Não se faz assim, não se mente.

Semente que brota de verdade.
Se mente não se torna verdade.
Sê mente, e busque sua verdade.
Somente semei, colha mais tarde.

Carola Guimarães

Preciso dormir

Cansada. Vai entender como é que essas coisas funcionam. Faculdade combinada com esses fatores externos, relações interpessoais, pessoas complicadas a volta, um dia cheio de intervalos de tempos completos. Principalemente quando se é uma pessoa complicada. Quero 26 horas no dia. Por que só acrescentei 2 horas? Porque só quero dormir um pouco mais. Se dormir só, abraçando, de conchinha, de lado, de cabeça pra baixo... Dormir. Preciso dormir.
Vende-me um sonho? Porque nos sonhos eu posso voar.

Carola Guimarães

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Essência

Não assisto mais "Padrinhos Mágicos",
Nem vejo nenhum desenho animado.
Faz tempo que não saio pra ver o mar,
Muito tempo que não sei o que é voar.

Há tempos que não sei de paixão,
Sem causas pra disparar coração.
Ninguém a segurar minha mão
Enquanto caminho sem direção.

Pouco, mas cresci.
Engordei, emagreci.
Depois fui ver de lá
O que se passa aqui.

Nos meus cabelos ainda tem cachos.
Dedos esquerdos sempre calejados.

Matendo ainda dessa essência,
Independente do que é ciência.
Crescendo em cada experiência

Carola Guimarães

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Maio - Kid Abelha

Maio já está no final
O que somos nós afinal
Se já não nos vemos mais
Estamos longe demais
Longe demais

Maio já está no final
É hora de se mover
Prá viver mil vezes mais
Esqueça os meses
Esqueça os seus finais
Esqueça os finais

Eu preciso de alguém
Sem o qual eu passe mal
Sem o qual eu não seja ninguém
Eu preciso de alguém...

-----#------

Que venha Junho,
Que venha o São João!
E... As férias!

quarta-feira, 27 de maio de 2009

27 de Maio

Foi você que me trouxe devolta aqui
A esse mundo dos sonhos, de poesias...
Foi quem me incentivou nessa alegria.

Tanta coisa em comum compartilhamos...
Até o mês que completamos mais um ano.
Um "Guimarães", o mundo de imaginação,
Um misto de sentimentos em um coração.

Que cada ano seja mais especial,
Cada amor, um amor sem igual.
Mais alegrias, muitas felicidades.
Não apenas idade, maturidade.

Feliz aniversário,
Amo muito você!

Carola Guimarães

* A Vinicius Guimarães.

terça-feira, 26 de maio de 2009

Coisa de mãe

É engraçado esse jeitinho que mãe tem, né?!
Essa mistura que vai carinho e preocupação
Tudo embolado, misturado no mesmo coração.

Essa coisa que mãe tem de dizer: "C-A-R-O-L-I-N-A".
Aquela que você já entende o que foi quando ela grita.
Ou quando ela diz: "Carola"... Com carinho: "Lóla".

Mãe não é igual, não mesmo.
Mas podem até ser parecidas.

"Não vai levar o casaco?!"
"Acho que vai chover,
Melhor você não descer!"
"O que você vai fazer?"

Definitivamente, mãe tem boca de praga?!
Parece que acontece tudo, tudo que ela fala!

Porque carinho de mãe, é carinho de mãe.
E o tempero dela?! Sempre o mais gostoso.
Mãe não é tudo igual, filho é que é teimoso.

Carola Guimarães

* Que bom essa semana com a minha aqui pertinho! (:

domingo, 24 de maio de 2009

Acorde

Tanto faz...
Faz tanto...
Tanto tempo,
Tempo lento.

Deixei que assim fosse
E isso nada me trouxe.
Solos e acordes... Acorde!
Não fique, nem se acomode.

No violão,
Sempre uma canção.
Sempre esse pulsar
Sempre meu coração.

Carola Guimarães

domingo, 17 de maio de 2009

Sonhos Famintos


Você pensa que tanto faz?!
O tempo sim, esse se vai.
Feche os seus olhos, pense.
O que é que lhe traz paz?

Pense em um caminho a seguir.
E pense aonde você pretende ir.
Determine os objetivos de vida,
Se não, você não vai sair daqui.

Ao cair do alto podemos nos machucar.
Lá do alto só basta bater as asas, voar.
Liberte sua mente, permita-se sonhar.

Por que os sonhos?!
Eles alimentam a alma.
Porque sonho acalma.
Nesses sonhos há calma.
O sonhar com a calma.
E nos meus sonhos...
Minha alma.

Carola Guimarães

* Sonhe, vá ao infinito e além. Seja faminto por sonhos.
* Sonho é diferente de pesadelo.

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Edifício


Falar é muinto facio...
Dificio é iscrever.

Carola Guimarães

* Inspirada no e-mail que recebi hoje do Betinho.




































segunda-feira, 11 de maio de 2009

Um fragmento - Parte III

Então veio o 3o. da minha vida...
Que podia sarar minhas feridas!
Tanto carinho, gantileza, delicadeza...

E veio pra completar os espaços,
Chegava chegando, que abraço!

Sabe aquela do Seu Jorge?! Pronto!
"Me perdi no seu sorriso, nem preciso me encontrar..."
E eu tinha me perdido mesmo, perdida e ponto.
"Não me mostre o paraíso, pois se eu for não vou voltar..."
E eu iria! Iria com tudo! Quem disse que eu queria voltar?

E eu já estava Lost mesmo...
Mas aí esse destino... Triste destino!
Muda tudo... É tão repentino!

Carola Guimarães

* Essa minha vida é feita de pequenos fragmentos.

Auto-escola


Aula interessante, "sem mistérios"!
Só um "tschi-tschi" me abusando...
Que já estava me tirando do sério!
Mas dou um desconto, eu supero!

Aula de legislação...
Curso pra condução!

Aula até de modernidade,
Das falhas e das qualidades,
Do machismo da sociedade!

Um intervalo divertido
Instrutor extrovertido...
Um intervalo comprido!

Só que fiquei sem graça...
Também... Que 'parada'!

Uma primeira aula legal,
Em uma Segunda cizenta.
Uma turma alto-astral!

Carola Guimarães

* Emborrachem os postes... Eu estou chegando! ^^

O Que Queres?


Porque quando vou,
Sei que não estou.
E quando eu fico...
Sei que não preciso.

Sei que quando quero,
Quero mesmo e pronto.
Quando não sei o que quero,
Me perco a cada ponto.

A única coisa que sei
É que quero ser feliz!
Independe do que for,
E isso ningém me diz!

Abraço a vida,
Protejo as feridas!
Cresço, amadureço.
Assim me conheço.

Carola Guimarães

* E tu? Sabes o que queres?

domingo, 10 de maio de 2009

Mainha

Minha amiga...
A mais amada!
Independente,
Não me deixa!
Há... Amo tanto!
Amo-te demais!

Carola Guimarães

* Feliz dia das mães!

sábado, 9 de maio de 2009

Um sorriso

Solto os cabelos,
Arrumo, bagunço.
Prendo, tranço.
Jogo de lado,
Para o seu lado.

Olho em volta,
Me olho no espelho.
Dentro de mim, vejo.

Solo no violão.
Canto uma canção.
Abro o coração.

Sorrio, mas também choro.
Bato o pé. Finjo que não é.

Sonho, e como sonho!
Vivo e me alimento...
Desse, de vários momentos.

Um sorriso.
Seu sorriso.
Paraíso, pára isso.

Carola Guimarães

Acaso

Eu gosto do acaso que nos une.



* De quando de repente... Casos ao acaso!

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Essas palavras

Isto é um tanto preocupante!
Me consome a cada instante.
É esse meu vício incessante!

É que meu universo poético
Está invadindo meu mundo real!
Transformando tudo em verso,
Movimentando para um surreal!

Ruas que cruzo em minha mente,
Lugar movimentado, quanta gente!
Porque elas vem tentando dominar,
Palavras! Que soltas, jogadas ao ar
Invadem o meu eu a perturbar!

Carola Guimarães

* Em pleno tráfego, no ônibus, me flagro escrevendo.
A letra?! Horrível. O balanço do ônibus que desenha.

Deixa pra ler amanhã!

Queria postar alguma coisa mais interessante.
A palestra do Hélio Lopes foi bem edificante.
E ele até umas fez citações que tinham rima!
Só depois postarei aqui também, sem clima!

Esses dias que são tão cansativos.
O melhor: amo muito meus amigos.
Acho que sem eles eu não vivo.

Mas... Enfim, vou dormir!
Passa amanhã por aqui?!
Prometo, vou me esforçar,
Algo melhor pra postar!

Carola Guimarães

* Juro, tenho umas duas poesias legais pra postar.
Mas estão no caderno, e eu com preguiça de copiar.
Hoje estava no ônibus, e lá dei pra escrever...
Meu mundo poético me invadindo sem eu perceber.

terça-feira, 5 de maio de 2009

Em meio a uma discussão...

Aff... E é Saúde Coletiva?!
Caramba, que preguiça!
Tentando me controlar,
Tentando não bocejar!

Difícil. Ahhh... (Bocejo!)
Viagem total!

Ah... (Suspiro!) Tão lindo ele falando!
Pára... Escreve... Fica pensando.

E sem querer eu estou escrevendo.
Não era o que devia estar fazendo.

Carola Guimarães

Sonho perdido

Pulei a janela da fortaleza
E saí sem muitas certezas.
Queria um sonho perdido.
Fui, e fiz então um pedido:
Achar! Já estava perdido...

Então pela estrada a fora
Estava a caminhar sozinha.
Quando encontrei um abrigo,
E não estava mais em perigo.

Pelo abraço que acolhe,
Este que me envolve...
Este que me aquece...
Este que me enobrece.

Mas antes do galo cantar
Sabia, precisava retornar.
Então, antes do sol nascer
Andei por este escurecer.

No céu avistei a mais bela.
Era uma estrela, que bela!
Meus olhos brilharam nela.

A fortaleza estava fechada.
E fiquei à beira da estrada
Esperando pela encantada,
Que abriu a porta trancada.

Carola Guimarães

* Quando parece que tudo está escuro, procure no céu uma estrela.
Ainda que ela esteja entre quadrados e bolinhas.

domingo, 3 de maio de 2009

Chuva de Pássaros

Porque existem dias complicados...
No meio da simplicidade dos passos,
E vemos que é nosso o descompasso.
Por andar em território inexplorado
Pegamos sempre o caminho errado.
Sempre o bonito, porém ordinário...
Fica difícil, e é um perigo diário!
Em meio a tantos perigos indeterminados,
Um alívio pode ser encontrado:
Uma onda de alegria contra a monotonia,
Vem transformando esse nosso dia-a-dia
Em chuvas de pássaros, flores ao por do sol...
Essa aurora que vem ao cantar do Rouxinol
Para transformar as nossas vidas...
Para cicatrizar essas nossas feridas.

Carola Guimarães & Hugo Cavalcante

* Uma ótima parceria. (Y)

Dupla

Porque você fica do meu lado.
Me ajuda quando necessário.
Parece ler meu pensamento.
É rápido no meu passo lento.

Quando me perco entre fórceps,
Alavancas, curetas e alta-rotação,
É você quem segura a minha mão.
Me dá segurança, anestesio então.

Raízes, muitas "exodontizadas".
As frequencias não assinadas...
Produtividade estando em alta.
Hoje: urgencia, paciente em falta.
Ainda não na cadeira? Já 7:30h!

Compreensivo.
Cooperativo.
Esse amigo.
Meu amigo.
Minha dupla.

Carola Guimarães

* Dedicada ao Rapha Teixeira, a melhor dupla de todas.
Porque ele é mais que dupla, é um dos meus melhores amigos.

sábado, 2 de maio de 2009

Sol
















Hoje o sol resolveu aparecer.
Então vim aqui pra escrever
Para poder dizer para você
Desse brilho que posso ver.

Depois de um dia cinzento,
Desses com chuva e vento
Sabe o melhor momento?
O arco-íris no firmamento.

Carola Guimarães

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Esses fragmentos...

Esses fragmentos?
São apenas uns momentos.
Foi o que surgiu nesse dia cinzento.
E não é o estilo que escrevo, nem tento.

Talvez pra ler precise de muito tempo.

Carola Guimarães

Um Fragmento - Parte II

Marazul, que linda Marazul! Eu sempre gostei de ir passar férias lá e agora era meu lar. Já tinha amigos de infância no residencial que estava morando. E não demorou pra que eu fizesse muitos outros amigos. Ah, eu adorava!
Escola nova, amigos novos! Pessoas diferentes. No coração uma saudade: saudade da Terradechico.
Início de uma nova atividade: futsal no sangue! Ah meu Deus! Eu era péssima, cansei de fazer gols contra, perder gols feitos, fazer passes errados, tocar pra fora, ratar a bola... Eu era muito ruim, e só conseguia jogar quando pedia linha, porque ninguém me tirava pra jogar.
Aquela quadra, como eu amava! Fiz tantos amigos! Foi lá que conheci o Juquinha. Nossa, que menino legal! Logo na primeira vez que jogamos juntos, já pensei: "Se não me apaixonar por ele, tenho certeza que seremos grandes amigos!" Que premonição mais (in)feliz.
Não, não foi logo de cara essa paixonite. Éramos bons amigos, ótimos! Um amigo que me divertia, e eu adorava jogar no mesmo time que ele. E mais ainda quando não jogava, ele me perturbava tanto...
Ele jogava muito bem, era um dos melhores! E ia em família também. Eu ia com meus irmãos. Ele com a irmã, prima e o pai. Adorava o pai dele, e ele era o único que me colocava no time dele.
Ainda nos primeiro ano em Marazul eu pensava no João (Coisa de maluco!). Mas como já disse, foi de repente que parei e num lembro quando foi.
Mas sei que o segundo garoto que marcou minha vida foi o Juca. Ele sim, tenho certeza que foi meu primeiro amor.
Porque eu me sentia o máximo por estar perto dele. Porque o tempo passava sem sentir quando estávamos na pracinha tocando violão. Porque passávamos horas à beira da piscina falando de música, física (que ele detestava e eu amava.), dos nossos rachas, das ondas, do mar, dos nossos pais, dos nossos irmãos... De tanta coisa que nem lembro mais. Só sei que o tempo voava. E eu? Uau, achava o máximo. Mas pensava que era apenas uma boa amizade.
Um final de ano desses, estava ele ferrado em física. E eu, como boa amiga que adorava física, por que não ajudar? Eu adorava.
E foi pouco tempo depois dessas aulas de física que veio a acontecer. Vieram as férias... Uma das melhores que tive! Época boa, todo dia na pracinha, uma diversão em grupo: criar filmes. Nossa que filmes de terror mais comédias. Eram puro trash.
Foi na época em que aconteceu o pedido. Em plenos desesseis anos, um garoto de quinze.
O dia? Por que não um dia especial? Aniversário de mainha, que coincide com o aniversário do nosso amigo Caio. Ele foi pra festa do Caio, eu estava na festa da minha mãe. Mas dei um jeito de ir parar na Festa do Caio.
Como eu fiquei sem jeito! Nunca tinha ficado daquele jeito. Mas achei o máximo ver aqueles olhos castanhos olhando os meus de um jeito tímido, mas tão mágico! Brilhavam. Aposto que os meus também. Lembro de quando a mão dele tocou a minha...
Mas eu não disse que sim. Também não disse que não. Apenas uma pergunta: "tem certeza?". E um pedido pra me dar um tempo. Aliás, num podia ser tão fácil, né?! Meu coração disparado explodia dentro da minha pequena caixa toráxica. Não dormi a noite. Filmamos a cena mais idiota do filme! Eu e Leila numa prosa mais sem pé-nem-cabeça.
Nossa, tenho muitas histórias do Juca Pedro. Acho melhor fragmentar em mais fragmentos. Esse já está bem extenso.

Carola Guimarães

Um fragmento - Parte I

Eu lembro bem do primeiro menino que gostei, que me interessei. Meu Deus! Eu era uma piveta! Mas lembro que achava o Joãozinho um cara superinteressante. Sabe o cara mais popular do colégio? Aquele bonitão que todas as meninas paqueravam? O que parava a hora do recreio? Pois é, não era ele. Ao contrário, era só mais um garoto do recreio.
Em plena plena sétima série, um garoto da oitava. Que não era o mais bonito, mas eu achava que era. Só porque ele era legal e me dava atenção. Só porque ele me chamava de "Santinha" e me fazia mil perguntas sobre como eu podia ser daquele jeito.
Lembro de um dia que eu adorei. Um dia de reunião de representantes de sala. A reunião dele foi a primeira, a minha foi uma das últimas. E ele ficou lá esperando comigo, só conversando bobagens. Me falando das idéias malucas dele de colocar um piercing enorme pra irritar a mãe dele. Eu ria. Lembro que pegamos o mesmo ônibus pra casa. Ele desceu logo e eu bem depois. Mas fiquei voando um bom tempo e quase perdi o ponto.
Até hoje lembro a data do aniversário dele: dia seis de agosto. E era minha senha pra tudo: senha do e-mail, senha de travar meu celular, meu código PIN, e pra qualquer outra coisa que eu precisasse, se alguém arricasse, estaria lá: 0608.
Não acho que tenha sido meu primeiro amor. Era só um garoto legal. Ele nem gostava de mim. E mudou de colégio quando eu fui pra oitava série. Depois disso, não tive mais notícias dele, nem o encontrava em lugar nenhum.
Ao fim da oitava série eu mudei de cidade. E apesar de ter passado todo o ano sem ver ou ter notícias do João, eu ainda lembrava dele, e pensava se ia encontrar com ele antes de ir embora de lá. Pensava que eu o encontraria na nova cidade... Será que ele num tem família lá em Marazul? Vai saber... Só sei que eu ainda pensava nele. E isso durou até... Sabe que eu não lembro quando parei?! Só sei que parei de pensar nele. Foi minha primeira paixão, não meu primeiro amor.
Já se passaram tantos anos... Eu não faço a menor idéia do fim que o João levou. Aposto que se eu encontrar com ele não vou reconhecê-lo, vai passar desapercebido, como um garoto que é apenas mais um no meio do recreio.

Carola Guimarães

Cordas de Aço


Essas peças sem fim,
Meu quebra-cabeças.
O que fazer de mim...
Querer que aconteça.

Um encaixe desencaixado.
Caixas por todos os lados...
Desembrulho embrulhado.

Meu Moreno descordado.
Seu braço desconcertado,
E seu som tão desafinado.

Aumente o som do amplificador,
Nessas vibrações de ultrassom...
Que a poesia chegue aos seus ouvidos
Através dos solos que aqui faço.
Nesse violão, cordas de aço.
Eu só queria um abraço...
O que faço?

Esse dia tão cinzento...
Nem importa o tempo!
Pois nós nunca sabemos,
Que será que queremos?

Ficar só a refletir
Nisso sem reflexo.
Fazer de um jeito,
Querer o inverso.

Carola Guimarães

quinta-feira, 30 de abril de 2009

Abra-cadabra

Tijolos vermelhos no concreto.
Uma pequena casa de incerto,
Este abstrato do chão ao teto.

Um lugar perdido no meio do nada,
Lá, onde se vive um conto de fadas.

Lá o sol a se pôr
Diante da montanha...
E eu digo que vou,
Uma vontade tamanha!

O céu onde brilham todas as estrelas,
Eu e você... Nós poderemos vê-las.

Abra-cadabra.

Carola Guimarães

domingo, 26 de abril de 2009

A Última

Metamorfose Ambulante,
Eu só queria entender
Mas muda a cada instante.
Metamorfose Ambulante,
Eu gosto muito de você
Independente desses instantes,
Dessa incógnita inconstante
Que movimenta os instantes.
Mas nossos mundos paralelos
Estarão sempre distantes.

Carola Guimarães

* Espero que esta seja a última poesia para este fim.
* "Fim" ".".

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Ionômero de Vidro Coletivo

No meio de uma leio outra
Qual é o coletivo de saúde?
"E quando a maré encher..."
Planejar, improvisar, correr?

"Tem que ensinar a pescar..."
Eu prometo que vou tentar
Nesta bendita não vou pescar.

Pelo Itacônico a viscosidade reduzida,
O Tartárico a aumenar a força coesiva.
Classe II apenas em dentes decíduos.
Não restaurar grandes áreas cuspídeas.

"É um assunto meio chato..."
Será que não é chato e meio?
E ainda copiar cada slide...
Poderiam mandar por e-mail!

Mas continuo lendo ionômero de vidro...
Reforçados, forradores, selantes, anidros,
Restauradores de permanentes e decíduos.

Tipo I para cimentação e base protetora;
Tipo II usado na dentística restauradora;
Selar as cicatrículas e fissuras, classe III;
Vai o tipo IV nas cavidades para proteger.

Copiei boa parte da aula
Para só depois descobrir
Ele mandará por e-mail,
Depois só precisa imprimir.

E meus pensamentos em "coletivo"...
Saúde, poesia, Ionômero de Vidro...

Carola Guimarães

* Sério mesmo, tem certas aulas que são ótimas.
Ótimas para inspirar uma poesia.
Tudo pela Saúde. (L)
* Ah, as aspas (" ") são as próprias palavras do prof. que pude captar durante a aula.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Ao Pai

Que alívio...
Pai, obrigada
Por tudo isso.

Sei, nada me faltará
Em tudo me Suprirás.

Porque estás ao meu lado...
Sempre alivias o meu fardo.

Palavras não tenho
Por isso que venho
O coração derramar,
Só a Ti me entregar.

Carola Guimarães

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Por Vir

Hoje eu estou aprendendo
Pois nem tudo eu entendo.
Mas sei que posso ser mais,
Eu sei que sou mais, aliás!

Mais do que posso ser,
Eu sempre posso ir mais.
E essa linha de partida
Vai ficando para trás.

Sei que de mim Deus quer muito mais,
E prá mim Ele sempre tem muito mais...
E estou certa que o melhor ainda vai vir,
Pois o melhor de Deus ainda está por vir.

Carola Guimarães

* Não se compare aos outros, mas ao melhor que você pode ser.
* E acredite, sempre há como evoluir.

domingo, 19 de abril de 2009

Sim&Não

Eu gostaria de dizer "até logo"
Sem que isso doesse em mim.
Eu queria poder reencontrar
E não ficar "meio assim"...

Mas dói... E eu sinto.
E agora já não minto.
Talvez não fosse só "instinto".

Aquilo que achava ser "mente"
Na verdade era "coração".
E agora definitivamente...
Preciso tomar uma decisão.

E não uma pequena dose...
Talvez uma garrafa inteira.
Não deixarei na geladeira.

Decisão... Indecisão...
Atitude... Direção...
Mente e coração.
Sim... Não...

Carola Guimarães

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Partida

Ar... respirar.
Coração, pulsar.
Sangue, circular.

O sopro da vida.
Essa frágil vida.
Entrada e saída.

E entre as incertezas
Apenas uma certeza...
A incerteza do amanhã.

Viva com sabedoria,
Procure as alegrias...
Cresça com a tristeza,
Tome força na fraqueza.

Pois deste ciclo
Sabemos apenas o início.
Dessa entrada,
Não sabemos qual a saída.
Dessa chegada,
Não sabemos hora de partida.

Carola Guimarães

* Pois nossa matéria é mortal, mas a alma é eterna.
Sentir falta dói... Mas que Deus conforte nossos corações.
"Apesar de partido, as lembranças serão eternas."


Salmos 90:1-6
Senhor, tu tens sido o nosso refúgio de geração em geração.
Antes que nascessem os montes, ou que tivesses formado a terra e o mundo, sim, de eternidade a eternidade tu és Deus.
Tu reduzes o homem ao pó, e dizes: Voltai, filhos dos homens!
Porque mil anos aos teus olhos são como o dia de ontem que passou, e como uma vigília da noite.
Tu os levas como por uma torrente; são como um sono; de manhã são como a erva que cresce;
de manhã cresce e floresce; à tarde corta-se e seca.



"Senhor, ensina-nos a contar os nossos dias de tal maneira que alcancemos corações sábios" V. 12


domingo, 12 de abril de 2009

Fragrância 16

Um perfume na memória
Traz-me recordações,
Lembra-me histórias.

Histórias de nunca mais...
De tempos já passados...
Esses que não retornam...
Não voltam... Jamais...

Rinencéfalo.
Ao fato...
Olfato.

Carola Guimarães

Speak english?

Um flash, só um flash.
Um susto... Não surto.
Um sorriso, que sorriso.
Chegou e se foi...
Do you speak english, baby?

Carola Guimarães

sábado, 11 de abril de 2009

2000 Miles From Here...


Eu estive nesse lugar
De azul no céu e mar.
Eu procurei te encontrar
Mas você nem estava lá...

Da areia fiquei só a observar
Aqueles que pareciam dançar
E sobre as ondas flutuar...
A girar... A deslizar... Voar!
Minha mente? Só a viajar...

De lá saia um som...
Jack Johnson...
"What would you do
If I wrote you a song?"

Não, talvez não fossem 2000 milhas,
Mas, estava tão longe... Isso eu sabia.

Foi então que mergulhei
E as idéias eu dispersei...
Ficaram perdidas no mar
E não souberam voltar...

Carola Guimarães


"Well that's alright
If that's alright
2000 miles were still
And that's alright
And that's alright
If that's alright
I'll see you in the morning
If that's alright"

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Em decisão

Sempre uma complicação
Quem fala mais alto?
Razão ou coração?
Impulso? Não.
E então?
Não.

Estando na dúvida do que fazer
Faz profilaxia e proservação,
De flúor tópico uma aplicação.
Em outros casos... Endodontia!
Então faça uma pulpotomia.

Decisão? Sempre precisamos tomar
Ainda que seja uma pequena dose...
Pra não nos envenenar ou intoxicar.

Dúvidas...
Ir... Ou ficar.
Ficar ou estar.
Falar ou calar.

Quem sabe?
Só Deus sabe.
A mim não cabe.

Carola Guimarães

*Na dúvida, joga uma moeda pra cima e decide em "cara ou coroa".

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Flores


Uma flor que se regue
A desabrochar, espere.
A brisa sopra de leve,
E o vento que me leve.

Pois essa cabrocha
Que se desabrocha
É firme como rocha.

Em cada pétala, Carola.
E essas pétalas: corola.
Cálice... E não se cale.

Cravo as palavras ao seio,
As flores cravadas no veio
E são interpostas, no meio.

Girassol, e gira o sol...
Então vem o raiar do dia!
E a fotossíntese, alegria.

Um Lírio, delírio.
Flores de plástico?
Elas não morrem.

Carola Guimarães


* Prefiro ganhar chocolates a ganhar flores.
As flores murcham, as flores morrem.

Amor

Livre por esse amor!
Inexorável, é amor...
Verdadeiro, o amor...
Raia no escuro, amor.
Esse amor libertador!

Carola Guimarães

domingo, 5 de abril de 2009

Boneca de Pano


Parada e sem vida
Eu coloco ela de pé,
Ela cai em seguida.

Seu sorriso tão tímido
Seu cabelo escorrido
E esse olhar perdido.

Ali. Parada ali no canto
À espera de um encanto
À transformar o pranto,
E o seu grito em canto.

Essa menina que parece boneca,
Essa boneca que parece menina!
E que todo mundo acha linda...
Mas é de pano e não tem vida.

Carola Guimarães

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Leite, Ninho

Caroline Leite, não, não é Ana Carolina.
Apesar de grande, é ainda uma menina.

Que é Leite e não é Ninho,
A quem eu dedico carinho.

Em nós, essência
De toda inocência,
E "amadurecência"?

Pequena grande,
Gosto te muito,
Grande gigante.

Carola Guimarães

terça-feira, 31 de março de 2009

Instinto

Você acha que entende?
Sei que nunca entendo.
Mas isso não se estende
Vai e volta de repente.

São só pequenos fragmentos,
Coisas que não se contentam.
E onde já não há sentimentos.
Sentimento, agora momentos.
Sei que nada disso eu entendo.
Mas deixo isso para o tempo,
Que se vá logo, como o vento.

O vento que não vejo, sinto;
Pois isso que não vivo, minto
E se transforma em instinto.

Carola Guimarães

Segundo Aurélio:
instinto[Do lat. instinctu.] Substantivo masculino.
1.Fator inato do comportamento dos animais, variável segundo a espécie, e que se caracteriza, em determinadas condições, por atividades elementares e automáticas;
2.Forças de origem biológica inerentes ao homem e aos animais superiores, e que atuam, em geral, de modo inconsciente, mas com finalidade precisa, e independentemente de qualquer aprendizado;
3.Tendência natural; aptidão inata;
4.Impulso espontâneo e alheio à razão; intuição.

domingo, 29 de março de 2009

domingo, 22 de março de 2009

Destino

- Como está batendo o seu coração?
- Meio descompassado!
- Hum... O caso é complicado.
- Ando sem idéia e sem noção
- Mas o amor sempre é repentino
- As palavras já não tem sentido,
Tudo coisa do destino?
- É cruel esse destino sem sentido!

Carola & Vinícius Guimarães

quinta-feira, 12 de março de 2009

Também Menina

Por que não foi preso?
Quem rouba num é ladrão?
Tem lugar especial, prisão?
Pra esse acusado, ladrão...
Esse ladrão de coração!

Papéis pequenos, papéis amassados.
Versos soltos, versos rabiscados.

A bússola desregulada
Que guia sem direção...
Aos ouvidos um refrão...
Sempre essa canção!

No céu sempre tem estrelas,
E nas estrelas esse brilho
Mas ainda buscando sorriso!

E o tal amor?
Ainda é dor...

Carola Guimarães

* Inspirada na poesia "Menina" de Vinícius Guimarães.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Tu vens?

Se eu te der minha mão
Me ajudas a caminhar?
E os olhos vou fechar...

Posso te ajudar também...
Mas será que tu vens?

Carola Guimarães

* "Se dois cegos tentarem guiar um ao outro, cairão ambos num barranco."

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Por Marcelo Mendonça

In perfeição!

PERFEITO É AQUELE QUE FALA DIREITO
QUE SABE QUE DE ALGUM JEITO
ESTÁ FALANDO TODA VERDADE

PERFEITO É NÃO TER NENHUM DEFEITO
QUE MESMO SEM JEITO
TALVEZ ATÉ MAL FEITO
NÃO SE CORROMPE COM A VERDADE

PERFEITO TALVEZ SEJA EU OU VOCÊ
MESMO SEM QUERER
QUE SABE QUE COM ALGUM PORQUE
TENTA NÃO MAIS SOFRER
POIS A VERDADE DA PERFEIÇÃO TALVEZ NUNCA TENHA TOTAL VERACIDADE.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Uma onda que passou...

Eis que uma onda de MPB me atingiu
E uma Aquarela veio, a tudo coloriu!
E entrei em um Turbilhão emocional.
E aquele Samba de uma nota só...
Virou escalas múltiplas, Tem dó!

Não, não recebi nenhum Telegrama
Nem um “Eu te amo”, nem nada!
Acho que foi uma escala errada!

É Fevereiro, carnaval num passo!
Mas... Cadê as Águas de março?
Ainda sinto Faltando um pedaço!

João e Maria...
Que Final feliz!
Bem que se quis!
Foi feito Fênix.

Nada de Suspense, por favor!
Não existe A fórmula do amor!

Fiz então uma Pintura íntima
Neste meu Coração de estudante.
Mas Chega de saudade!
Nem tudo está distante.

Nem O bêbado e o equilibrista...
Nem a Madalena, acreditas?!
Não sabiam dessa Fascinação,
Nem viram a tal Construção!

Sintonizei nessa onda....
Mais uma vez Em órbita...
Onde está a Parabólica?

Carola Guimarães

* A freqüência era 107,7 MHz.
* Sejá Lá Maior, o Sol Maior será!
* Cuidado, música também vicia.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Espelhos


Pelo espelho a imagem invertida,
Ainda que haja a mesma medida.
Mas é em um espelho de virtudes
Que tenho meu modelo de atitude.

Por onde tenho essa direção...
A caminhar sem preocupação!
Igual não há! O seguro lugar:
Sei, sempre vou encontrar!

As partes que me formaram,
Mesma soma que é singular,
Onde eu estiver, aonde for...
Resumirei em: Pais e Amor!


Carola Guimarães

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Descompasso


Um vazio, vai e não volte.
Um sorriso que retorne.
Essas coisas que se vão
E aqui deixão só o vão.

E eu aqui fico só, então...
Como chamar tua atenção?

Esse som, esse violão...
Essa ginga, uma canção.
Gestos que se perdem
Nessa outra dimensão.

Me destraí,
Me perdi...
Perdi o passo.
Perdi o compasso.
Descompasso.

Coisas que vão...
Coisas, que vão!

Carola Guimarães

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

ETC...? Este Tal Coração!


- É triste, não dá pra mandar no coração.
- É triste saber que ele é um músculo esquelético com seus discos intercalados e tem movimento involuntário.
- Não podemos dizer: "Pronto, é agora, bate!"

- Podemos prender a respiração por alguns minutos, mas precisamos de ar para viver.
- Só enquanto respirar haverá vida.

- Nada pode mudar o que passou, só se for lavado.
* Algumas roupas precisam ser passadas quase sempre antes de usar.

- Cada um é especial a sua maneira.
- Cada momento é especial ao seu tempo.
- Cada tempo é único ao seu momento.

Carola Guimarães

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Diamante da Noite


O dia termina a noite,
A noite termina o dia.
O dia amante da noite,
Acorda a noite o dia.

Sei que a dor mente
Aquilo que se sente.
Uma mão, doce mão,
Abraço de um irmão,
Acalenta um coração.

Onde há lua da noite,
Onde a noite aluada.
Eis a lua minguando
Um pedaço por cada.

Um coração quer brado
Como no sino: o badalo.
Mas eu não falo, eu calo.
É nele que tudo guardo,
O espaço é tão apertado.

Abro a janela e a porta,
Nem toda ida tem volta.
Depois da noite é o dia,
E sempre vem outro dia.

Carola Guimarães

* Cacofonia.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Pontes


E é linda essa menina,
É menina essa Priscila.
Alto astral essa amiga,
E é amiga essa meiga.

A amiga linda que tenho,
Por meio deste eu venho
Oferecer a essa amizade:
De coração, sinceridade.

Carola Guimarães

* Dedicada a Pri Pontes.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Sintonia


Sei que estou perto, ainda que longe.
Vocês fazem eu me sentir bem perto.
Para sentir não há longe, fica perto,
E só basta deixar o caminho aberto.

Fazem eu me sentir alguém especial.
Reciprocidade? Não há outra igual.

Feliz por cada memória,
Pela lembrança do som,
E viajar pelo mar a fora!

Estarei sempre aí.
Estarão sempre aqui.

Essa sintonia, essa alegria.
Sinceridade torna amizade.
Recíproca a reciprocidade.

Carola Guimarães