sábado, 4 de julho de 2009

Que saco!


O deio os compromissos
Que você desfaz comigo.
De quando você me liga
Pra ficar criando briga.

Da voz nervosa que me pergunta:
"Onde a senhorita se encontra?"

Do mau humor pela manhã.
Quando a tarde ele persiste.
Cotinua a noite, não desiste.

Porque critica tudo que faço.
Tudo faz gerar um embaraço.
E a rejeição ao meu abraço...

Estou sempre disposta a tudo.
Você me nega a quase tudo.
Que saco!

Carola Guimarães
*
Vai entender irmã mais velha...

6 comentários:

Inez disse...

Goste muito, voc~e transformou em poema as dificuldades de relacionamento, seja ele qual for.

i ILÓGICO disse...

lindo carola!
é... sou do brasil!

bju-te

O Poeta Morto disse...

Toc... Toc...
Estava em uma viagem espiritualpsicologicatrasnsendentalcorporeacomplexa, rsrsrs.

Belo poema!

saudaçoes

o poeta morto.

César Araújo disse...

Gostei do poema. Engraçado.
:)

César

Ana disse...

Saco mesmo.... hunf!
bjos flor, adorei!

Carlos Anderson disse...

Olá Carola, td bem? Gostei desse seu poema, muito massa! Gostaria de dar uma sugestão pra ti, poderia eu dar?
Bem... Na parte do da estrófe:

"Do mau humor pela manhã.
Quando a tarde *ele persiste.
Cotinua a noite, não desiste."

Acho que ficaria melhor de indentificar a pessoa se fosse dita... "Quando a tarde ela persiste." Mas, se realmente não sei qual foi seu caso na construção desta estrófe! Qualquer coisa me avisa, oks? Se caso estiver errado! Bom, aguardo notícias suas... Obrigado por tudo! E não deixe de sempre escrever, pois me indentifico muito com sua maneira de escrever!
Bjins e abraços, até...