quarta-feira, 17 de março de 2010

Caixa de Vidro

Esse meu transparecer
Faz todo mundo perceber
E não preciso nada dizer.

Queria guardar só pra mim
Não sei como, desaprendi.
Quanto mais tento ocluir
Mais parece se abrir...

Como em um arredoma, uma flor.
A beleza vista por quem quer que for.
Mas do espinho ninguém sente a dor.

Carola Guimarães

Um comentário:

Ana Magalhães disse...

Que bom que gostou do look novo rsrs.

É verdade, sofro do mesmo mau, também desaprendi a não me mostrar tanto, desaprendi a não ser tão clara e transparente e assim seguimos expostas, vistas por todos, mas não deixaremos nunca de surpreender hein!

Beijos flor!